A GÊNESE - CAPÍTULO DÉCIMO-QUINTO 1943

Em conseqüência da força fluídica que Jesus possuía, nada é de admirar que esse fluido vivificante, dirigido por uma forte vontade, haja reanimado os sentidos entorpecidos; que haja mesmo podido chamar, para o corpo, o Espírito prestes a deixá-lo, enquanto o laço perispiritual não estava definitivamente rompido. Para os homens desse tempo, que acreditavam o indivíduo morto desde que não mais respirasse, havia ressurreição e puderam afirmá-lo com muita boa fé, mas havia, em realidade, cura e não ressurreição na acepção da palavra.

40. – A ressurreição de Lázaro, o que quer que se diga, não infirma de nenhum modo este princípio. Estava, diz-se, há quatro dias no sepulcro; mas sabe-se que há letargias que duram oito dias e mais. Acrescenta-se que ele cheirava mal, o que é um sinal de decomposição. Essa alegação não prova nada, não mais, tendo em vista que, entre certos indivíduos, há decomposição parcial do corpo, mesmo antes da morte, e que exalam um odor de podridão. A morte não chega senão quando os órgãos essenciais à vida são atacados.

E quem poderia saber se ele cheirava mal? Foi a sua irmã Marta que o disse, mas como o sabia ela? Estando Lázaro enterrado há quatro dias, ela o supunha, mas disso não podia ter a certeza. (Cap. XIV, nº 29) (1).

JESUS ANDA SOBRE A ÁGUA

41. – Imediatamente, Jesus obrigou seus discípulos a subirem para o barco e passar para a outra margem diante dele, enquanto despedia o povo. – Depois de tê-lo des-


(1) O fato seguinte prova que a decomposição precede, algumas vezes, a morte. No convento do Bom Pastor, fundado em Toulon pelo abade Marin, capelão dos cárceres, para as raparigas arrependidas, encontrava-se uma jovem que sofrera os mais terríveis sofrimentos com a calma e a impassividade de uma vítima expiatória. No meio das dores, ela parecia sorrir a uma celeste visão; como Santa Teresa, ela pedia para sofrer ainda, sua carne caía aos pedaços, a gangrena ganhava os seus membros; por uma sábia previdência, os médicos tinham recomendado não fazerem a exumação do corpo imediatamente depois do decesso. Coisa estranha! Apenas ela entregou o seu último suspiro, todo o trabalho da decomposição se deteve; as exalações cadavéricas cessaram; durante trinta e seis horas ela permaneceu exposta às preces e à veneração da comunidade.