A GÊNESE - CAPÍTULO DÉCIMO-SÉTIMO 1989

Tenho ainda muitas coisas a vos dizer, mas não as podeis suportar presentemente.

Quando esse Espírito de Verdade vier, vos ensinará toda a verdade, porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que ouviu, e vos anunciará as coisas vindouras.

Ele me glorificará, porque receberá do que é meu, e vo-lo anunciará. (São João, cap. XVI, v. 7 a 14).

37. – Esta predição, sem contradita, é uma das mais importantes do ponto de vista religioso, porque constata, da maneira menos equivocada, que Jesus não disse tudo o que tinha a dizer, porque não seria compreendido, mesmo pelos seus apóstolos, uma vez que era a eles que se dirigia. Se lhes tivesse dado instruções secretas, delas faria menção no Evangelho. Desde que não disse tudo aos seus apóstolos, os seus sucessores não poderiam saber mais do que eles; portanto, puderam se equivocar sobre o sentido de suas palavras, dar uma falsa interpretação aos seus pensamentos, freqüentemente velados sob a forma de parábolas. As religiões fundadas sobre o Evangelho não podem, pois, se dizerem na posse de toda a verdade, uma vez que ele reservou para si completar ulteriormente as suas instruções. Seu princípio de imutabilidade é um desmentido dado às próprias palavras de Jesus.

Anuncia ele, sob o nome de Consolador e de Espírito de Verdade aquele que deve ensinar todas as coisas e fazer lembrar o que disse: portanto, o seu ensino não estava completo; além do mais, prevê que se esquecerá o que ele disse, e que se o será desnaturado, uma vez que o Espírito de Verdade deve fazer lembrar, e, de acordo com Elias, restabelecer todas as coisas, quer dizer, segundo o verdadeiro pensamento de Jesus.

38. – Quando deverá vir esse novo revelador? É muito evidente que, se na época em que Jesus falava, os homens não estavam no estado de compreender as coisas que lhe restavam a dizer, não seria em alguns anos que poderiam adquirir as luzes necessárias. Para a inteligência de certas partes do Evangelho, com exceção dos preceitos de moral, eram necessários conhecimentos que só o progresso da ciência poderia dar, e que deveriam ser a obra do tempo e de várias gerações. Se, pois, o novo Messias tivesse