O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO II - CAP. VII - RETORNO À VIDA CORPORAL 199

sobretudo quando o Espírito não está ainda apto para fazer uma escolha com conhecimento de causa. Como expiação, o Espírito pode ser constrangido a se unir ao corpo de tal criança que, pelo seu nascimento e a posição que terá no mundo, poderá vir a ser para ele um instrumento de castigo.

388 – Se acontecesse que vários Espíritos se apresentassem para um mesmo corpo que deve nascer, o que decidiria entre eles?

– Vários podem pedir; nesse caso é Deus que julga qual deles é o mais capaz para desempenhar a missão à qual a criança está destinada. Mas eu disse: o Espírito é designado antes do instante em que se deve unir ao corpo.

339 – O momento da encarnação é acompanhado de uma perturbação semelhante àquela que tem lugar na desencarnação?

– Muito maior e sobretudo mais longa. Na morte, o Espírito sai da escravidão; no nascimento, entra nela.

340 – O instante em que o Espírito deve se encarnar é para ele um momento solene? Realiza esse ato como uma coisa grave e importante?

– É como um viajante que embarca para uma travessia perigosa e não sabe se encontrará a morte nas ondas que enfrenta.

O viajante que embarca, sabe a que perigos se expõe, mas não sabe se naufragará; é assim com o Espírito: ele conhece o gênero de provas às quais se submete, mas não sabe se sucumbirá.

Da mesma forma que a morte do corpo é uma espécie de renascimento para o Espírito, a reencarnação é uma espécie de morte, ou antes, uma espécie de exílio e de clausura. Ele deixa o mundo dos Espíritos pelo mundo corporal, como o homem deixa o mundo corporal pelo mundo dos Espíritos. O Espírito sabe que reencarnará, como o homem sabe que morrerá; mas, como este, ele não tem consciência senão no último momento, quando a hora é chegada.

Então, nesse momento supremo, a perturbação se apodera dele, qual no homem em agonia, e essa perturbação persiste até que a nova existência esteja francamente formada. Os prelúdios da reencarnação são uma espécie de agonia para o Espírito.

341 – A incerteza em que se encontra o Espírito sobre os eventuais sucessos nas provas que vai suportar na vida, é para ele uma causa de ansiedade antes da encarnação?