A GÊNESE - CAPÍTULO DÉCIMO-OITAVO 2009

daqueles que isto aproveitam desde hoje, será para eles tanto maior ganho e penas poupadas."

Doutor BARRY.

10. – Resulta do que precede que, em conseqüência de seu movimento de translação através do espaço, os corpos celestes exercem, uns sobre os outros, uma influência mais ou menos grande, segundo a sua proximidade e a sua posição respectiva; que essa influência pode trazer uma perturbação momentânea em seus elementos constitutivos, e modificar as condições de vitalidade de seus habitantes; que a regularidade dos movimentos deverá trazer o retorno periódico das mesmas causas e dos mesmos efeitos; que a duração de certos períodos é bastante curta para ser apreciável pelos homens, outras vêem passar as gerações e as raças que delas não se apercebem, e para as quais o estado de coisas é um estado normal; as gerações, ao contrário, contemporâneas da transição, sofrem-lhe o contra-golpe, e tudo lhes parece sair das leis ordinárias. Elas vêem uma causa sobrenatural, maravilhosa, miraculosa, naquilo que não é, em realidade, senão o cumprimento das leis da Natureza.

Se, pelo encadeamento e a solidariedade das causas e dos efeitos, os períodos de renovações morais da Humanidade coincidem como tudo o leva a crer, com as revoluções físicas do globo, elas podem ser acompanhadas ou precedidas de fenômenos naturais, insólitos para aqueles que com isso não estão habituados, de meteoros que parecem estranhos, de uma recrudescência e de uma intensidade inabituais de flagelos destruidores. Esses flagelos não são nem uma causa, nem presságios sobrenaturais, mas uma conseqüência do movimento geral que se opera no mundo físico e no mundo moral.

Predizendo a era de renovação que deveria se abrir para a Humanidade, e marcar o fim do velho do mundo, Jesus, pois, pôde dizer que ela seria assinalada por movimentos extraordinários, por tremores de terra, por flagelos diversos, por sinais no céu que não são outros senão os meteoros, sem sair das leis naturais; mas o vulgo ignorante viu nessas palavras o anúncio de fatos miraculosos (1).


(1) A terrível epidemia que, de 1866 a 1868, dizimou a população da Ilha Maurícia, foi precedida de uma chuva tão extraordinária e tão abundan-