A GÊNESE - CAPÍTULO DÉCIMO-OITAVO 2013

dades passadas, chegadas a um mais alto grau de adiantamento.

17. – A fraternidade deve ser a pedra angular da nova ordem social; mas não há fraternidade real, sólida e efetiva, se ela não se apóia sobre uma base inabalável; esta base é a fé; não a fé em tais ou quais dogmas particulares, que mudam com os tempos e os povos, e se atiram pedra, porque se anatematizando, eles mantêm o antagonismo; mas a fé em princípios fundamentais que todo o mundo pode aceitar: Deus, a alma, o futuro, O PROGRESSO INDIVIDUAL INDEFINIDO, A PERPETUIDADE DAS RELAÇÕES ENTRE OS SERES. Quando todos os homens estiverem convencidos de que Deus é o mesmo para todos; que esse Deus, soberanamente justo e bom, nada pode querer de injusto; que o mal vem dos homens e não dele, eles se olharão como os filhos de um mesmo Pai e estender-se-ão as mãos.

É esta fé que o Espiritismo dá, e que será doravante o eixo sobre o qual moverá o gênero humano, quaisquer que sejam o modo de adoração e as crenças particulares.

18. – O progresso intelectual realizado até hoje nas mais vastas proporções é um grande passo, e marca a primeira fase da Humanidade, mas só, é impotente para regenerá-la; enquanto o homem estiver dominado pelo orgulho e pelo egoísmo, ele utilizará a sua inteligência e os seus conhecimentos em proveito de suas paixões e de seus interesses pessoais; é por isso que os aplicam no aperfeiçoamento dos meios para prejudicar os seus semelhantes, e de destruí-los.

19. – Só o progresso moral pode assegurar a felicidade dos homens sobre a Terra, pondo um freio às más paixões; só ele pode fazer reinar, entre eles, a concórdia, a paz, a fraternidade.

Será ele que abaixará as barreiras dos povos, que fará caírem os preconceitos de castas, e calar os antagonismos de seitas, ensinando os homens a se olharem como irmãos, chamados a se entreajudarem, e não a viverem às expensas uns dos outros.

É ainda o progresso moral, secundado aqui pelo