O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO II - CAP. VIII - EMANCIPAÇÃO DA ALMA 226

coisa além do corpo, visto que o corpo não tendo mais função, o Espírito age.

423 – Na letargia, o Espírito pode se separar inteiramente do corpo, de maneira a dar-lhe todas as aparências da morte e voltar em seguida?

– Na letargia o corpo não está morto, já que há funções que permanecem. A vitalidade aí está em estado latente, como na crisálida, mas não está aniquilada. Ora, o Espírito está unido ao corpo, tanto que ele vive. Uma vez rompidos os laços pela morte real e a desagregação dos órgãos, a separação é completa e o Espírito aí não retorna mais. Quando um homem que tem as aparências da morte retorna à vida, é porque a morte não havia se completado.

424 – Pode-se, por meio de cuidados dados a tempo, reatar os laços prestes a se romper e tornar à vida um ser que, por falta de socorro, estaria definitivamente morto?

– Sim, sem dúvida, e disso tendes, todos os dias, a prova. O magnetismo é, nesse caso, um poderoso meio porque restitui ao corpo o fluido vital que lhe falta e que era insuficiente para manter o funcionamento dos órgãos.

A letargia e a catalepsia têm o mesmo princípio, que é a perda momentânea da sensibilidade e do movimento por uma causa fisiológica, ainda inexplicada. Elas diferem em que, na letargia, a suspensão das forças vitais é geral e dá ao corpo todas as aparências da morte, e, na catalepsia, ela é localizada e pode afetar uma parte mais ou menos extensa do corpo, de maneira a deixar a inteligência livre para se manifestar, o que não permite confundi-la com a morte. A letargia é sempre natural; a catalepsia é, algumas vezes, espontânea, mas pode ser provocada e desfeita artificialmente pela ação magnética.

SONAMBULISMO.

425 – O sonambulismo natural tem relação com os sonhos? Como se pode explicá-lo?

– É uma independência da alma, mais completa que no sonho, e nesse caso suas faculdades estão mais desenvolvidas. Ela tem percepções que não tem no sonho, que é um estado incompleto de sonambulismo. No sonambulismo, o Espírito é inteiramente ele mesmo. Os órgãos materiais estando, de alguma forma, em estado cataléptico, não recebem mais as impressões exteriores. Este estado se mani-