OBRAS PÓSTUMAS - SEGUNDA PARTE 2296

Resp. – Não para o momento; correrias perigos inúteis.

Perg. – O Sr. M..., que tem um médium, disse que se lhe precisou a data da marcha dos acontecimentos, por assim dizer, com dia fixo; isso é verdade?

Resp. – Sim, foram-lhe fixadas épocas, mas foram os Espíritos levianos, que não sabem mais do que ele, e que exploram a sua exaltação. Sabes que não devemos nunca precisar as coisas futuras. Os acontecimentos pressentidos, certamente, ocorrerão num tempo próximo, mas que não pode ser precisado.

Perg. – Os Espíritos disseram que os tempos estão chegados, em que essas coisas devem se cumprir; que sentido é preciso ligar a essas palavras?

Resp. – Para coisas dessa gravidade, o que são alguns anos a mais ou a menos? Elas nunca chegam bruscamente e como um raio, mas estão, de há muito, preparadas por acontecimentos parciais, que lhe são como os precursores e como os ruídos surdos que precedem a erupção de um vulcão. Pode-se, pois, vos dizer que os tempos estão chegados, sem que isso signifique que as coisas chegam amanhã. Isso quer dizer que estais no período em que ocorrerão.

Perg. Confirmais o que foi dito, de que não haverá cataclismos?

Resp. – Certamente, não tendes a temer nem dilúvio, nem abrasamento de vosso planeta, nem outras coisas desse gênero, porque não se pode dar o nome de cataclismo a perturbações locais que não se produziram em todas as épocas. Não haverá senão um cataclismo moral, de que os homens serão os instrumentos.

10 DE JUNHO DE 1856

(Na casa do sr. Roustan. Méd. srta. Japhet.)

O LIVRO DOS ESPÍRITOS

Pergunta. (A Hahnemann) – Pensei que, uma vez