O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO II - CAP. VIII - EMANCIPAÇÃO DA ALMA 230

– A alma não deixa inteiramente o corpo, ao qual está sempre ligada por um laço que é o condutor das sensações. Quando duas pessoas se correspondem de uma cidade à outra pela eletricidade, é a eletricidade a ligação entre seus pensamentos; é por isso que se comunicam como se estivessem um ao lado do outro.

438 – O uso que um sonâmbulo faz de sua faculdade influi no estado de seu Espírito depois da morte?

– Muito, como o uso bom ou mau de todas as faculdades que Deus deu ao homem.

ÊXTASE.

439 – Que diferença existe entre o êxtase e o sonambulismo?

– É um sonambulismo mais apurado; a alma do extático é ainda mais independente.

440 – O Espírito do extático penetra, realmente, nos mundos superiores?

– Sim, ele os vê e compreende a felicidade dos que ali habitam; por isso gostaria de lá ficar. Mas existem mundos inacessíveis aos Espíritos que não são bastante depurados.

441 – Quando o extático exprime o desejo de deixar a Terra, fala sinceramente? O instinto de conservação não o retém?

– Isso depende do grau de evolução do Espírito; se ele vê sua posição futura melhor do que sua vida presente, se esforça por romper os laços que o prendem à Terra.

442 – Se se abandonasse o extático a si mesmo, sua alma poderia deixar definitivamente seu corpo?

– Sim, ele pode morrer e, por isso, é necessário fazê-lo voltar por tudo que o pode prender neste mundo, sobretudo, fazendo-o entrever que se romper a cadeia que o retém, esse será o verdadeiro meio de não permanecer onde ele vê que seria feliz.

443 – Existem coisas que o extático pretende ver e que são evidentemente, o produto de uma imaginação impressionada pelas crenças e preconceitos terrestres. Tudo o que ele vê não é, então real?