O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO II - CAP. X - OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS 274

577 – Quando um homem faz uma coisa útil é sempre em virtude de uma missão anterior e predestinada, ou pode receber uma missão não prevista?

– Tudo o que um homem faz não é o resultado de uma missão predestinada. Ele é freqüentemente instrumento do qual um Espírito se serve para executar uma coisa que crê útil. Por exemplo, um Espírito julga que seria bom escrever um livro que ele mesmo faria se estivesse encarnado; ele toma o escritor mais apto a compreender seu pensamento e executá-lo, e lhe dá a idéia e o dirige na execução. Assim, esse homem não veio sobre a Terra com a missão de fazer essa obra. Ocorre o mesmo com certos trabalhos de arte ou descoberta. É necessário dizer ainda que, durante o sono do corpo, o Espírito encarnado se comunica diretamente com o Espírito errante e que eles se entendem sobre a execução.

578 – O Espírito pode falir em sua missão por sua falta?

– Sim, se não é um Espírito superior.

– Quais são, para ele, as conseqüências?

– Será necessário recomeçar a tarefa: é essa a sua punição; aliás, sofrerá as conseqüências do mal que haja causado.

579 – Visto que o Espírito recebe sua missão de Deus, como Deus pode confiar uma missão importante e de interesse geral a um Espírito que poderá nela falir?

– Deus não sabe se seu general obterá a vitória ou será vencido? Ele o sabe, estai seguros, e seus planos, quando são importantes, não repousam sobre aqueles que devem abandonar a obra no meio do trabalho. Toda questão está para vós no conhecimento do futuro, que Deus possui, mas que não vos é dado.

580 – O Espírito que se encarna para cumprir uma mis-são, tem a mesma apreensão que aquele que o faz como prova?

– Não, ele tem a experiência.

581 – Os homens que são a luz do gênero humano, que clareiam pelo seu gênio, têm certamente uma missão; mas entre eles há os que erram e que, ao lado de grandes verdades, propagam grandes erros. Como se deve considerar sua missão?