O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO II - CAP. X - OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS 275

– Como enganados por si mesmos. Eles estão abaixo da tarefa que empreenderam. Entretanto, é preciso ter em conta as circunstâncias; os homens de gênio devem falar segundo os tempos e tal ensinamento que parece errôneo ou pueril em uma época avançada, podia ser suficiente para seu século.

582 – Pode-se considerar a paternidade como uma mis-são?

– É, sem contradita, uma missão; é ao mesmo tempo um dever muito grande e que obriga, mais do que o homem pensa, sua responsabilidade pelo futuro. Deus colocou o filho sob a tutela dos pais para que estes o dirijam no caminho do bem, e facilitou sua tarefa dando-lhe uma organização frágil e delicada que o torna acessível a todas as impressões. Mas há os que se ocupam mais em endireitar as árvores do seu jardim e as fazer produzir muitos e bons frutos, que endireitar o caráter de seu filho. Se este sucumbe por sua falta, carregarão a pena, e os sofrimentos do filho na vida futura recairão sobre eles, porque não fizeram o que dependia deles para seu adian-tamento no caminho do bem.

583 – Se uma criança se torna má, malgrado os desvelos de seus pais, estes são responsáveis?

– Não; porém, quanto mais disposições da criança são más, mais é penosa a tarefa, e maior será o mérito se eles conseguirem desviá-la do mau caminho.

– Se uma criança resulta um bom sujeito, malgrado a negligência ou os maus exemplos dos pais, estes retiram algum fruto?

– Deus é justo.

584 – Qual pode ser a natureza da missão de um conquistador que não tem em vista senão satisfazer sua ambição e que, para atender ao seu objetivo, não recua diante de nenhuma das calamidades que arrasta atrás de si?

– Ele não é, o mais freqüentemente, senão um instrumento do qual Deus se serve para o cumprimento dos seus desígnios, e essas calamidades são, algumas vezes, um meio de fazer um povo avançar mais depressa.

– Aquele que é instrumento dessas calamidades passageiras, é estranho ao bem que delas pode resultar, visto que não visava senão um objetivo pessoal; não obstante, aproveitará desse bem?