O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO III - CAP. IV - LEI DA REPRODUÇÃO 312

objetivo ocasionar obstáculos à reprodução, são contrários à lei natural?

– Tudo o que entrava a marcha da Natureza é contrário à lei geral.

– Entretanto, há espécies de seres vivos, animais e plantas, cuja reprodução indefinida seria nociva a outras espécies e o próprio homem seria logo a vítima; comete ele um ato repreensível detendo essa reprodução?

– Deus deu ao homem, sobre todos os seres vivos, um poder que deve usar para o bem, mas não abusar. Ele pode regrar a reprodução segundo as necessidades, mas não deve entravá-la sem necessidade. A ação inteligente do homem é um contrapeso estabelecido por Deus para restabelecer o equilíbrio entre as forças da Natureza, e é isso, ainda, que o distingue dos animais, porque o faz com conhecimento de causa. Mas os próprios animais também concorrem para esse equilíbrio, porque o instinto de destruição que lhes foi dado faz com que, provendo sua própria conservação, eles detenham o desenvolvimento excessivo, e talvez perigoso, de espécies animais e vegetais de que se nutrem.

694 – Que pensar dos usos que têm por efeito deter a reprodução tendo em vista satisfazer a sensualidade?

– Isso prova a predominância do corpo sobre a alma e quanto o homem está materializado.

CASAMENTO E CELIBATO.

695 – O casamento, quer dizer, a união permanente de dois seres, é contrário à lei natural?

– É um progresso na marcha da Humanidade.

696 – Qual seria o efeito da abolição do casamento na sociedade humana?

– O retorno à vida animal.

A união livre e fortuita dos sexos é um estado natural. O casamento é um dos primeiros atos de progresso das sociedades humanas, porque ele estabelece a solidariedade fraternal e se encontra entre todos os povos, ainda que em condições diversas. A abolição do casamento seria o retorno à infância da Humanidade, e colocaria o homem abaixo mesmo de certos animais que lhe dão o exemplo de uniões constantes.