O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO III - CAP. V - LEI DE CONSERVAÇÃO 314

CAPÍTULO V

IV – LEI DE CONSERVAÇÃO.

1. Instinto de conservação. – 2. Meios de conservação. –

3. Gozo dos bens da Terra. – 4. Necessário e supérfluo. –

5. Privações voluntárias. Mortificações.

INSTINTO DE CONSERVAÇÃO.

702 – O instinto de conservação é uma lei natural?

– Sem dúvida. Ele é dado a todos os seres vivos, qualquer que seja o grau de sua inteligência. Em uns, ele é puramente maquinal, em outros ele é racional.

703 – Com qual objetivo Deus deu a todos os seres vivos o instinto de conservação?

– Porque todos devem concorrer para os objetivos da Providência. É por isso que Deus lhes deu a necessidade de viver. Aliás, a vida é necessária ao aperfeiçoamento dos seres, e eles o sentem instintivamente sem se aperceberem.

MEIOS DE CONSERVAÇÃO.

704 – Deus, dando ao homem a necessidade de viver, fornece-lhe sempre os meios?

– Sim, e se não os encontra é porque não os compreende. Deus não poderia dar ao homem a necessidade de viver sem dar-lhe os meios, por isso faz a terra produzir para fornecer o necessário a todos os seus habitantes, porque só o necessário é útil; o supérfluo não o é jamais.

705 – Por que a terra não produz sempre bastante para fornecer o necessário ao homem?

– É que o homem a negligencia, o ingrato! É, todavia, uma excelente mãe. Freqüentemente, também, ele acusa a Natureza pelo que resulta de sua imperícia ou de sua impre-