O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO III - CAP. VI - LEI DE DESTRUIÇÃO 321

CAPÍTULO VI

V. – LEI DE DESTRUIÇÃO

1. Destruição necessária e destruição abusiva. –

2. Flagelos destruidores. – 3. Guerras. – 4. Homicídio. –

– 5. Crueldade. – 6. Duelo. – 7. Pena de morte.

DESTRUIÇÃO NECESSÁRIA E DESTRUIÇÃO ABUSIVA.

728 – A destruição é uma lei da Natureza?

– É preciso que tudo se destrua para renascer e se regenerar, porque o que chamais destruição não é senão uma transformação que tem por objetivo a renovação e melhoramento dos seres vivos.

– O instinto de destruição teria, assim, sido dado aos seres vivos com objetivos providenciais?

– As criaturas de Deus são os instrumentos dos quais ele se serve para atingir seus fins. Para se nutrirem, os seres vivos se destroem entre si, e isso com o duplo objetivo de manter o equilíbrio na reprodução, que poderia vir a ser excessiva, e de utilizar os restos do envoltório exterior. Mas, sempre, não é senão esse envoltório que é destruído, e esse envoltório não é senão o acessório e não a parte principal, é o princípio inteligente que é indestrutível e que se elabora nas diferentes metamorfoses que sofre.

729 – Se a destruição é necessária para regeneração dos seres, por que a Natureza os cerca de meios de preservação e de conservação?

– Para que a destruição não chegue antes da época necessária. Toda destruição antecipada entrava o desenvolvimento do princípio inteligente. Por isso, Deus deu a cada ser a necessidade de viver e de se reproduzir.

730 – Visto que a morte deve nos conduzir para uma vida