O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO III - CAP. VI - LEI DE DESTRUIÇÃO 327

CRUELDADE.

752 – Pode-se atribuir o sentimento de crueldade ao instinto de destruição?

– É o instinto de destruição no que tem de pior, porque se a destruição, algumas vezes, é necessária, a crueldade não o é jamais. Ela é sempre o resultado de uma natureza má.

753 – Como se explica que a crueldade é o caráter dominante dos povos primitivos?

– Entre os povos primitivos, como os chamas, a matéria domina sobre o Espírito. Eles se abandonam aos instintos animais e, como não têm outras necessidades que as da vida do corpo, não visam senão à sua conservação pessoal e é isso que os torna, geralmente, cruéis. Aliás, os povos de desenvolvimento imperfeito estão sob o império de Espíritos igualmente imperfeitos que lhes são simpáticos, até que os povos mais avançados venham destruir ou enfraquecer essa influência.

754 – A crueldade não provém da ausência do senso moral?

– Dize que o senso moral não está desenvolvido, mas não que está ausente, porque ele existe, em princípio, em todos os homens. É esse senso moral que fará mais tarde seres bons e humanos. Ele existe, pois, no selvagem, mas está como o princípio do perfume está no germe da flor, antes dela desabrochar.

Todas as faculdades existem no homem em estado rudimentar ou latente. Elas se desenvolvem conforme as circunstâncias lhes são mais ou menos favoráveis. O desenvolvimento excessivo de uma detém ou neutraliza o das outras. A super excitação dos instintos materiais sufoca, por assim dizer, o sen-so moral, como o desenvolvimento do senso moral enfraquece, pouco a pouco, as faculdades puramente animais.

755 – Como se dá que no seio da civilização mais avançada se encontrem seres algumas vezes tão cruéis quanto os selvagens?

– Como sobre uma árvore carregada de bons frutos, encontram-se os que não chegam a termo. São, se o queres, selvagens que não têm da civilização senão o verniz, lobos perdidos no meio das ovelhas. Espíritos de uma ordem inferior  e  muito  atrasados, podem se encarnar entre os homens