O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO III - CAP. VI - LEI DE DESTRUIÇÃO 329

LEI DE DESTRUIÇÃO

– O orgulho e a vaidade, duas chagas da Humanidade.

– Mas não há casos em que a honra se encontra verdadeiramente empenhada e em que um recuo seria uma covardia?

– Isso depende dos costumes e dos usos; cada país e cada século têm aí um modo de ver diferente. Quando os homens forem melhores e mais avançados em moral, eles compreenderão que o verdadeiro ponto de honra está acima das paixões terrestres, e que não é matando ou se fazendo matar, que se repara um erro.

Há mais de grandeza e de verdadeira honra em se confessar culpado quando se errou, ou em perdoar quando se tem razão, e, em todos os casos, em desprezar os insultos que não podem nos atingir.

PENA DE MORTE.

760 – A pena de morte desaparecerá um dia da legislação humana?

– A pena de morte desaparecerá incontestavelmente e sua supressão marcará um progresso na Humanidade. Quando os homens estiverem mais esclarecidos, a pena de morte será completamente abolida sobre a Terra. Os homens não terão mais necessidade de serem julgados pelos homens. Falo de uma época que está ainda muito distante de vós.

O progresso social, sem dúvida,  deixa ainda muito a desejar, mas seria injusto para com a sociedade moderna se não se visse um progresso nas restrições trazidas à pena de  morte entre os povos, os mais avançados, e na natureza dos crimes aos quais se limita sua aplicação. Se se comparam as garantias com que a justiça, entre esses mesmos povos, se esforça para cercar o acusado, a humanidade que ela usa para com ele, ainda mesmo que seja reconhecido culpado, com o que se praticava em tempos que não são ainda muito distantes, não se pode desconhecer o caminho progressivo pelo qual marcha a Humanidade.

761 – A lei de conservação dá ao homem o direito de preservar sua própria vida; não usa ele desse direito, quando suprime da sociedade um membro perigoso?

– Há outros meios de se preservar do perigo senão o de matar. Aliás, é preciso abrir ao criminoso a porta do arrependimento, e não fechá-la.

762 – Se a pena de morte pode ser banida das sociedades civilizadas, não foi ela uma necessidade nas épocas menos avançadas?