O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO III - CAP. VII - LEI DE SOCIEDADE 334

se reconhecem mais, logo que estes não têm mais necessidade de atenções?

– Os animais vivem da vida material e não da vida moral. A ternura da mãe por seus pequenos tem por princípio o instinto de conservação dos seres aos quais ela deu à luz. Quando esses podem bastar a si mesmos, sua tarefa está cumprida e nada mais lhe pede a Natureza. Por isso, ela os abandona para se ocupar com os recém-vindos.

774 – Há pessoas que inferem, no abandono dos pequenos animais pelos pais, que, entre os homens, os laços de família não são mais que um resultado dos costumes sociais e não uma lei natural; que devemos pensar disso?

– O homem tem destinação diversa da dos animais. Por que, pois,  sempre  querer  identificá-lo  com eles? Nele há outra coisa além da necessidade física:  há a necessidade do progresso. Os laços sociais são necessários ao progresso e os laços de família estreitam os laços sociais. Eis aqui porque os laços de família são uma lei natural. Deus quis que os homens aprendessem assim a amar-se como irmãos. (205)

775 – Qual seria para a sociedade o resultado do relaxamento dos laços de família?

– Uma recrudescência do egoísmo.