O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO III - CAP. VIII - LEI DO PROGRESSO 335

CAPÍTULO VIII

VII. – LEI DO PROGRESSO

1. Estado natural. – 2. Marcha do progresso. – 3. Povos

degenerados – 4. Civilização. –5. Progresso da legislação humana. – 6. Influência do Espiritismo sobre o progresso.

ESTADO NATURAL.

776 – O estado natural e a lei natural são a mesma coisa?

– Não, o estado natural é o estado primitivo. A civilização é incompatível com o estado natural, enquanto que a lei natural contribui para o progresso da Humanidade.

O estado natural é a infância da Humanidade e o ponto de partida de seu desenvolvimento intelectual e moral. O homem, sendo perfectível, e carregando em si o germe de seu aperfeiçoamento, não está destinado a viver perpetuamente no estado natural, como não está destinado a viver perpetuamente na infân-cia. O estado natural é transitório e o homem liberta-se pelo progresso e pela civilização. A lei natural, ao contrário, rege a Humanidade inteira, e o homem se aperfeiçoa à medida que compreende melhor e pratica melhor essa lei.

777 – No estado natural, o homem tendo menos necessidades, não tem todas as atribulações que ele cria para si num estado mais avançado; que pensar da opinião daqueles que olham esse estado como aquele da mais perfeita felicidade sobre a Terra?

– Que queres! é a felicidade do bruto e há pessoas que não compreendem outra. É ser feliz à maneira dos animais. As crianças também são mais felizes que os adultos.

778 – O homem pode retrogradar até o estado natural?

– Não, o homem deve progredir sem cessar e não pode retornar ao estado de infância. Se ele progride é porque Deus quer assim. Pensar que ele pode retroceder à sua condição primitiva, seria negar a lei do progresso.