O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO III - CAP. VIII - LEI DO PROGRESSO 336

MARCHA DO PROGRESSO.

779 – O  homem  possui em si a força de progredir ou o progresso não é senão o produto de um ensinamento?

– O homem se desenvolve, ele mesmo, naturalmente. Mas nem todos progridem ao mesmo tempo e da mesma forma; é então que os mais avançados ajudam o progresso dos outros, pelo contato social.

780 – O progresso moral segue sempre o progresso intelectual?

– É sua conseqüência, todavia, não o segue sempre imediatamente. (192-365)

– Como o progresso intelectual pode conduzir ao progresso moral?

– Fazendo compreender o bem e o mal: o homem, então, pode escolher. O desenvolvimento do livre arbítrio segue o desenvolvimento da inteligência e aumenta a responsabilidade dos atos.

– Como ocorre então, que os povos mais esclarecidos sejam, freqüentemente, os mais pervertidos?

– O progresso completo é o objetivo, mas os povos, como os indivíduos, não o alcançam senão passo a passo. Até que o senso moral se tenha neles desenvolvido, eles podem mesmo se servir de sua inteligência para fazer o mal. O moral e a inteligência são duas forças que não se equilibram senão com o tempo. (365-751)

781 – É dado ao homem o poder de deter a marcha do progresso?

– Não, mas o de o entravar algumas vezes.

– Que pensar dos homens que tentam deter a marcha do progresso e de fazer a Humanidade retrogradar?

– Pobres seres que Deus castigará. Eles serão transportados pelas torrentes que querem deter.

O progresso, sendo uma condição da natureza humana, não está ao alcance de ninguém a ele se opor. É uma força viva que as más leis podem retardar, mas não sufocar. Quando essas leis se lhe tornam incompatíveis, ele as afasta com todos aqueles que tentam mantê-las, e assim o será até que o homem tenha colocado suas  leis em conformidade com  a  justiça  divina,  que quer o