O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO III - CAP. IX - LEI DE IGUALDADE 348

desigualdade das faculdades que dá a uns maiores meios de aquisição que a outros?

– Sim e não; e a velhacaria e o roubo, que dizes deles?

– A riqueza hereditária, portanto, não é o fruto das más paixões?

– Que sabes disso? Remonta à fonte e verás se ela é sempre pura. Sabes se, no princípio, não foi o fruto de uma expoliação ou de uma injustiça? Porém, sem falar da origem, que pode ser má, crês que a cobiça do bem, mesmo o melhor adquirido, os desejos secretos que se concebe de possuí-los mais cedo sejam sentimentos louváveis? É isso que Deus julga, e eu te asseguro que seu julgamento é mais severo que o dos homens.

809 – Se uma fortuna foi mal adquirida na origem, os que a herdam, mais tarde, são responsáveis?

– Sem dúvida, eles não são responsáveis pelo mal que outros fizeram, tanto menos que podem ignorar. Mas fica sabendo, freqüentemente, uma fortuna não chega a um homem senão para lhe dar oportunidade de reparar uma injustiça. Bom para ele, se o compreender! Se a faz em nome daquele que cometeu a injustiça, a reparação será contada para ambos, porque, freqüentemente, é este último que a provoca.

810 – Sem se afastar da legalidade, pode-se dispor dos bens de maneira mais ou menos equitativa. Depois da morte, se é responsável pelas disposições que se fez?

– Toda ação causa seus frutos. Os frutos da boa ação são doces e os das outras são sempre amargos; sempre, entendei bem isso.

811 – A igualdade absoluta das riquezas é possível e alguma vez existiu?

– Não, ela não é possível. A diversidade das faculdades e dos caracteres se opõe a isso.

– Há todavia, homens que crêem estar aí o remédio aos males da sociedade. Que pensais a respeito?

– Eles são sistemáticos ou ambicionam por inveja. Não compreendem que a igualdade que eles  sonham, seria  logo