O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO III - CAP. X - LEI DE LIBERDADE 353

CAPÍTULO X

IX. – LEI DE LIBERDADE

1. Liberdade natural – 2. Escravidão – 3. Liberdade de pensar – 4. Liberdade de consciência – 5. Livre arbítrio –

6. Fatalidade – 7. Conhecimento do futuro – 8. Resumo teórico da motivação das ações do homem.

LIBERDADE NATURAL.

825 – Há posições no mundo em que o homem possa se vangloriar de gozar de uma liberdade absoluta?

– Não, porque todos necessitais uns dos outros, os grandes como os pequenos.

826 – Qual seria a condição na qual o homem poderia gozar de uma liberdade absoluta?

– O eremita no deserto. Desde que haja dois homens juntos, eles têm direitos a respeitar e não têm mais, por conseguinte, liberdade absoluta.

827 – A obrigação de respeitar os direitos alheios tira ao homem o direito de ser independente consigo mesmo?

– De modo algum, porque é um direito que lhe vem da Natureza.

828 – Como conciliar as opiniões liberais de certos homens, com o despotismo que, freqüentemente, eles próprios exercem no seu interior e sobre os seus subordinados?

– Eles têm a inteligência da lei natural, estando ela contrabalançada pelo orgulho e pelo egoísmo. Eles compreendem o que deve ser, quando seus princípios não são uma comédia representada calculadamente, mas não o fazem.

– Ser-lhes-ão levados em conta, na outra vida, os princípios que professaram neste mundo?