O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO III - CAP. XII - PERFEIÇÃO MORAL 378

895 – Além dos defeitos e dos vícios sobre os quais ninguém se enganaria, qual é o sinal mais característico da imperfeição?

– O interesse pessoal. As qualidades morais, freqüentemente, são como a douração colocada sobre um objeto de cobre e que não resiste à pedra de toque. Um homem pode possuir qualidades reais que o fazem, para todo o mundo, um homem de bem. Mas essas qualidades, ainda que sejam um progresso, não suportam sempre certas provas e basta, às vezes, tocar a corda do interesse pessoal, para pôr o fundo a descoberto. O verdadeiro desinteresse é uma coisa tão rara sobre a Terra, que é admirado como um fenômeno quando ele se apresenta.

O apego às coisas materiais é um sinal notório de inferioridade, porque quanto mais o homem se prende aos bens deste mundo, menos compreende sua destinação. Pelo desinteresse, ao contrário, ele prova que vê o futuro de um ponto de vista elevado.

896 – Há pessoas desinteressadas, sem discernimento, que prodigalizam seus haveres sem proveito real por falta de um emprego racional; têm elas algum mérito?

– Têm o mérito do desinteresse, todavia, não o têm o do bem que poderiam fazer. Se o desinteresse é uma virtude, a prodigalidade irrefletida é sempre, pelo menos, uma ausência de julgamento. A fortuna não é dada mais a alguns para ser jogada ao vento, que a outro para ser enterrada num cofre-forte. É um depósito do qual terão que prestar contas, porque terão que responder por todo o bem que poderiam ter feito, e que não fizeram, por todas as lágrimas que poderiam ter enxugado com o dinheiro que deram àqueles que dele não tinham necessidade.

897 – Aquele que faz o bem, não em vista de uma recompensa sobre a Terra, mas na esperança de que lhe será levado em conta na outra vida, e que sua posição ali será tanto melhor, é repreensível, e esse pensamento lhe prejudica o adiantamento?

– É preciso fazer o bem por caridade, quer dizer, com desinteresse.

– Entretanto, cada um tem o desejo bem natural de progredir para   escapar  do  estado  penoso  desta   vida; os