O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO IV - CAP. I - PENAS E GOZOS TERRESTRES 390

LIVRO QUARTO

ESPERANÇAS E CONSOLAÇÕES

CAPÍTULO PRIMEIRO

PENAS E GOZOS TERRESTRES.

1. Felicidade e infelicidade relativas – 2. Perda de pessoas amadas – 3. Decepções. – Afeições destruídas –

4. Uniões antipáticas – 5. Medo da morte – 6. Desgosto da vida. – Suicídio.

FELICIDADE E INFELICIDADE RELATIVAS.

920 – O homem pode gozar, sobre a Terra, de uma felicidade completa?

– Não, visto que a vida lhe foi dada como prova ou expiação. Mas depende dele amenizar seus males e ser tão feliz quanto se pode ser sobre a Terra.

921 – Concebe-se que o homem será feliz sobre a Terra quando a Humanidade estiver transformada; mas, até lá, cada um pode se garantir uma felicidade relativa?

– O mais freqüentemente, o homem é o artífice de sua própria infelicidade. Praticando a lei de Deus, ele se poupa dos males e chega a uma felicidade tão grande quanto o comporta sua existência grosseira.

O homem bem compenetrado de sua destinação futura não vê na vida corporal senão uma estada passageira. É para ele uma parada momentânea em má hospedaria. Ele se consola facilmente de alguns desgostos passageiros de uma viagem que deve conduzi-lo a uma posição tanto melhor quanto melhor tenha se preparado.

Somos punidos, desde esta vida, pelas infrações às leis da existência corporal, pelos males que são a conseqüência dessas infrações e de nossos próprios excessos. Se remontarmos, gradativamente, à origem do que chamamos nossas infelicidades terrestres, veremos a estas na maioria das vezes, como conseqüências