O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO IV - CAP. II - PENAS E GOZOS FUTUROS 417

992 – Qual é a conseqüência do arrependimento no estado corporal?

– Avançar, desde a vida presente, se se tem tempo de reparar as faltas. Quando a consciência faz uma censura e mostra uma imperfeição, sempre se pode melhorar.

993 – Não há homens que não têm senão o instinto do mal e são inacessíveis ao arrependimento?

– Já te disse que se deve progredir sem cessar. Aquele que, nesta vida, não tem senão o instinto do mal, terá o do bem em uma outra, e é por isso que ele renasce várias vezes, porque é preciso que todos avancem e atinjam o objetivo, somente que alguns em um tempo mais curto, e os outros em um tempo mais longo, segundo seu desejo. Aquele que não tem senão o instinto do bem já está depurado, porque pôde ter o do mal numa existência anterior. (804).

994 – O homem perverso, que não reconheceu suas faltas durante a vida, as reconhecerá sempre depois da morte?

– Sim, ele as reconhecerá sempre, e então sofre mais, porque sente todo o mal que fez, ou do qual foi a causa voluntária. Entretanto, o arrependimento não é sempre imediato; há Espíritos que se obstinam no mau caminho, malgrado seus sofrimentos. Mas, cedo ou tarde, eles reconhecerão o falso caminho no qual estão empenhados, e o arrependimento virá. É para esclarecê-los que trabalham os bons Espíritos, e que vós mesmos podeis também trabalhar.

995 – Há Espíritos que, sem serem maus, sejam indiferentes à sua sorte?

– Há Espíritos que não se ocupam com nada útil: estão na expectativa. Mas sofrem, nesse caso, proporcionalmente, e como devem ter seu progresso em tudo, esse progresso se manifesta pela dor.

– Não têm eles o desejo de abreviar seus sofrimentos?

– Sem dúvida o têm, mas não dispõem de bastante energia para querer o que poderia aliviá-los. Quantas pessoas tendes entre vós, que preferem morrer de miséria a trabalhar?

996 – Uma vez que os Espíritos vêem o mal que resulta para eles de suas imperfeições,  como  se  dá  que  haja os