O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO IV - CAP. II - PENAS E GOZOS FUTUROS 429

soas que os interrogam. Quando essas pessoas são muito imbuídas de certas idéias, não as querem chocar muito bruscamente para não melindrar suas convicções. Se um Espírito viesse dizer, sem precauções oratórias, a um muçulmano, que Maomé não é um profeta, ele seria muito mal recebido.

– Concebe-se que possa ser assim da parte dos Espíritos que querem nos instruir; mas como se dá que os Espíritos interrogados sobre sua situação tenham respondido que sofriam as torturas do inferno ou do purgatório?

– Quando são inferiores e não completamente desmaterializados, conservam uma parte de suas idéias terrestres e exprimem suas impressões pelos termos que lhes são familiares. Eles se encontram em um meio que não lhes permite, senão pela metade, sondar o futuro e é por causa disso que, freqüentemente, os Espíritos errantes ou recém-desencarnados falam como o fariam em vida. Inferno pode se traduzir por uma vida de prova, extremamente penosa, com a incerteza de uma melhora. Purgatório, uma vida também de prova, mas com consciência de um futuro melhor. Quando experimentas uma grande dor, não dizes para ti mesmo que sofres como um condenado? Não são mais que palavras, e sempre em sentido figurado.

1014 – Que se deve entender por uma alma em pena?

– Uma alma errante e sofredora, incerta de seu futuro, e à qual podeis proporcionar um alívio que, freqüentemente, ela solicita vindo se comunicar convosco. (664).

1015 – Em que sentido se deve entender a palavra céu?

– Crês que ele seja um lugar, como os Campos Elíseos dos antigos, onde todos os bons Espíritos são amontoados desordenadamente sem outro cuidado que o de gozar pela eternidade uma felicidade passiva? Não, é o espaço universal, são os planetas, as estrelas, e todos os mundos superiores, onde os Espíritos gozam de todas as suas faculdades sem ter as atribulações da vida material, nem as angústias inerentes à inferioridade.

1016 – Os Espíritos disseram habitar o quarto, o quinto céu, etc.; que entendiam por isso?

– Vós lhes perguntais qual céu habitam, porque tendes a idéia de vários céus colocados como os andares de uma ca-