O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO IV - CONCLUSÃO 433

homem e dizei, em vossa alma e consciência, se, depois de o ter lido seriamente, nele achais matéria para zombar.

II

O Espiritismo é o mais terrível antagonista do materialismo. Não é, pois, de espantar que ele tenha os materialistas por adversários. Mas como o materialismo é uma doutrina que se ousa mal confessar (prova de que os que a professam não se crêem bem fortes e são dominados por sua consciência), ele se cobre com o manto da razão e da ciência, e, coisa bizarra, os mais céticos falam mesmo em nome da religião que não conhecem e não compreendem melhor que o Espiritismo. Sua mira, é, sobretudo, o maravilhoso, e o sobrenatural que não admitem. Ora, segundo eles, estando o Espiritismo fundado sobre o maravilhoso, não pode ser senão uma suposição ridícula. Não refletem que fazendo, sem restrição, o julgamento do maravilhoso e do sobrenatural, fazem o da religião. Com efeito, a religião está fundada sobre a revelação e os milagres. Ora, que é revelação senão comunicações extra-humanas? Todos os autores sagrados, desde Moisés, falaram dessas espécies de comunicações. Que são os milagres senão os fatos maravilhosos e sobrenaturais por excelência, posto que são, no sentido litúrgico, derrogações às leis da Natureza? Portanto, rejeitando o maravilhoso e o sobrenatural eles rejeitam as próprias bases da religião. Mas não é sob esse ponto de vista que devemos examinar a coisa. O Espiritismo não tem que examinar se há, ou não, milagres, quer dizer, se Deus pôde, em certos casos, derrogar as leis eternas que regem o Universo. Ele deixa, a esse respeito, toda a liberdade de crença. Diz e prova, que os fenômenos sobre os quais se apóia não têm de sobrenatural senão a aparência. Esses fenômenos não são assim, aos olhos de certas pessoas, senão porque são insólitos e fora dos fatos conhecidos. Mas eles não são mais sobrenaturais que todos os fenômenos aos quais a Ciência hoje dá a solução, e que pareceram maravilhosos numa outra época. Todos os fenômenos espíritas, sem exceção, são a conseqüência de leis gerais e nos revelam um dos  poderes  da   Natureza,  poder  desconhecido, ou dizendo  melhor,  incompreendido  até  aqui, mas que  a observação demonstra estar na ordem das coisas. O Espiritismo repousa, pois, menos sobre o maravilhoso e o sobrenatural que a própria religião. Aqueles que o atacam a esse respeito