O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO IV - CONCLUSÃO 435

fraternidade, de consciência de dever, de humanidade e mesmo de progresso não são senão palavras vãs. Oh! vós, que proclamais semelhantes doutrinas, não sabeis todo o mal que fazeis à sociedade, nem de quantos crimes assumis a responsabilidade? Mas falo eu de responsabilidade? Para o cético não há isso, pois ele não rende homenagem senão à matéria.

IV

O progresso da Humanidade tem seu princípio na aplicação da lei de justiça, de amor e de caridade. Essa lei está fundada sobre a certeza do futuro; tirai essa certeza e lhe tirareis sua pedra fundamental. Dessa lei derivam todas as outras, porque ela encerra todas as condições da felicidade do homem, e só ela pode curar as chagas da sociedade e ele pode julgar, pela comparação das épocas e dos povos, quanto sua condição melhora à medida que essa lei é melhor compreendida e praticada. Se uma aplicação parcial e incompleta produz um bem real, que será, pois, quando fizer dela a base de todas suas instituições sociais! Isso é possível? Sim, porque uma vez que deu dez passos, pode dar vinte, e assim por diante. Pode-se, portanto, julgar o futuro pelo passado. Já vimos se apagarem, pouco a pouco, as antipatias de povo a povo; as barreiras que os separam diminuem diante da civilização; eles se estendem as mãos de uma a outra extremidade do mundo; uma maior justiça preside as leis internacionais; as guerras tornam-se mais e mais raras e não excluem o sentimento de humanidade; a uniformidade se estabelece nas relações; as distinções de raças e de castas se apagam e os homens de crenças diferentes calam os preconceitos de seita para se confundirem na adoração de um só Deus. Falamos dos povos que marcham à frente da civilização (789-793). Sob todos esses aspectos, se está ainda longe da perfeição, e há ainda muitas velhas ruínas para se abater até que tenham desaparecido os últimos vestígios da barbárie. Mas essas ruínas poderão se opor à força irresistível do progresso, essa força viva que é, em si mesma, uma lei da Natureza? Se a geração presente é mais avançada que a geração passada, por que a que nos sucederá não o seria mais que a nossa? Ela o será pela força das coisas; primeiro, porque com as gerações desaparecem cada dia alguns defensores dos velhos abusos e assim a sociedade se forma, pouco a pouco, de elementos novos,  despojados  dos velhos preconceitos; em segundo