O LIVRO DOS ESPÍRITOS - LIVRO IV - CONCLUSÃO 438

siste na negação do futuro, que compensação ofereceis para os sofrimentos deste mundo? Vós vos apoiais sobre a incredulidade, ele se apóia sobre a confiança em Deus. Enquanto ele convida os homens à felicidade à esperança, à verdadeira fraternidade, vós lhes ofereceis o NADA por perspectiva e o EGOÍSMO por consolação. Ele explica tudo, vós não explicais nada. Ele prova pelos fatos e vós não provais nada. Como quereis que se hesite entre as duas doutrinas?

VI

Seria fazer uma idéia bem falsa do Espiritismo crer que ele haure sua força na prática de manifestações materiais e que assim, entravando essas manifestações, pode-se miná-lo em suas bases. Sua força está em sua filosofia, no apelo que faz à razão e ao bom senso. Na antiguidade, ele foi objeto de estudos misteriosos, cuidadosamente ocultos ao vulgo; hoje, nada tem de secreto para ninguém. Fala uma linguagem clara, sem ambigüidade. Nele, nada há de místico e de alegorias suscetíveis de falsas interpretações. Ele quer ser compreendido por todos, porque é chegado o tempo de fazer o homem conhecer a verdade. Longe de se opor à difusão da luz, a quer para todos. Não reclama uma crença cega, mas quer que se saiba porque se crê. Apoiando-se sobre a razão, será sempre mais forte do que aqueles que se apóiam sobre o nada. Os entraves que tentarem lhe oferecer à liberdade das manifestações poderiam abafá-las? Não, porque produziriam o efeito de todas as perseguições: o de excitar a curiosidade e o desejo de conhecer o que foi proibido. Por outro lado, se as manifestações espíritas fossem o privilégio de um só homem, não há dúvida que, colocando esse homem de lado, cessariam as manifestações. Infelizmente, para os adversários, elas estão à disposição de todos, que a usam, desde o menor até o maior, desde o palácio até a mansarda. Pode-se interditar-lhe o exercício público; mas sabe-se precisamente que não é em público que elas se produzem melhor: é na intimidade. Ora, cada um podendo ser médium, quem pode impedir uma família no recesso do seu lar, um indivíduo no silêncio do quarto, o prisioneiro sob os ferrolhos, de ter comunicações com os Espíritos, com o desconhecimento e em face mesmo dos esbirros?

Se as interditarem num país, poderão ser impedidas nos