O LIVRO DOS MÉDIUNS - PRIMEIRA PARTE - CAPÍTULO II 474

o   é   para   todo   o   mundo;   se   é  falso,  não é melhor para  os   ignorantes  do  que  para  as  pessoas  esclarecidas.

11. Os que atacam o Espiritismo em nome do maravilhoso se apóiam, pois, geralmente, no princípio materialista,  uma  vez  que  denegando   todo  efeito extra-material,  denegam,  por  isso   mesmo,  a   existência da alma;  sondai   o   fundo  do  seu  pensamento,   perscrutai bem o sentido  das  suas  palavras,  e vereis quase sempre esse princípio,  se  ele  não está  categoricamente  formulado, despontar sob as aparências  de  uma  pretensa filosofia   racional  com que o cobrem. Em rejeitando, por conta do maravilhoso, tudo o que decorre da existência da alma,  estão,  pois,  conseqüentes consigo  mesmos;  não admitindo a  causa, não podem admitir os efeitos; daí, neles, uma  opinião   preconcebida   que  os  torna  impróprios  para julgar  sadiamente  o   Espiritismo,  porque partem do princípio  da  negação  de  tudo  o  que  não  é  material.   Quanto a nós, do   fato  de admitirmos os efeitos  que  são  a conseqüência  da existência da alma, se segue que aceitamos todos os fatos qualificados de maravilhosos; que sejamos os campeões  de  todos   os  visionários,   os  adeptos de  todas as  utopias,  de   todas as excentricidades sistemáticas? Seria  preciso  conhecer   bem  pouco o Espiritismo para pensar  assim;  mas  nossos  adversários  não  o encaram  de tão   perto;  a   necessidade  de  conhecer  aquilo de que falam é o menor dos seus cuidados. Segundo eles, o maravilhoso é absurdo; ora o Espiritismo se apóia nos fatos   maravilhosos, portanto, o Espiritismo é absurdo: é para eles um julgamento sem apelação. Crêem opor um argumento   sem  réplica  quando,  depois  de  ter  feito eruditas  pesquisas nos convulsionários  de  Saint-Médard, os calvinistas de Cévennes, ou  nas  religiosas  de  Loudum, chegaram    a   descobrir nelas  fatos  patentes   de  fraude que   ninguém contesta; mas essas histórias são o evangelho   do Espiritismo? Seus partidários negaram que o charlatanismo tenha explorado certos fatos em seu proveito; que  a  imaginação  os  tenha  criado; que o fanatismo os tenha  exagerado  muito?  Não  é  mais solidário com as extravagâncias  que  se  podem cometer em seu nome, do que