O LIVRO DOS ESPÍRITOS - INTRODUÇÃO 49

tão. A primeira é o modo pelo qual o cesto se move sob sua influência, pela só imposição dos dedos sobre a borda; o exame demonstra a impossibilidade de uma direção qualquer. Essa impossibilidade torna-se sobretudo patente quando duas ou três pessoas se colocam, ao mesmo tempo, no mesmo cesto; seria preciso entre elas uma coordenação de movimentos verdadeiramente fenomenal; precisaria mais, concordância de pensamentos para que pudessem se entender sobre a resposta a dar para a questão  proposta.  Um outro fato,  não  menos  singular,  vem ainda se juntar à dificuldade: a mudança radical da escrita segundo o Espírito que se manifesta, e, cada vez que o mesmo Espírito retorna, sua escrita se reproduz.

Seria preciso, pois, que o médium se aplicasse a mudar sua própria caligrafia de vinte maneiras diferentes e, sobretudo, que ele pudesse se lembrar da que pertence a este ou àquele Espírito.

A segunda circunstância resulta da própria natureza das respostas que estão, na maioria das vezes, sobretudo quando se trata de questões abstratas ou científicas, notoriamente fora dos conhecimentos e, algumas vezes, da capacidade intelectual do médium, que, de resto, comumente, não tem consciência do que se escreve sob sua influência; que, muito freqüentemente mesmo, não ouve ou não compreende a questão proposta, uma vez que pode ser numa língua que lhe é estranha, ou mesmo mentalmente, e que a resposta pode ser dada nessa língua. Acontece, freqüentemente, enfim, que o cesto escreve espontaneamente sem questão prévia, sobre um objeto qualquer e inteiramente inesperado.

Essas respostas, em certos casos, têm uma tal marca de sabedoria, de profundidade e de oportunidade; revelam pensamentos tão elevados, tão sublimes, que não poderiam emanar senão de uma inteligência superior, marcada pela mais pura moralidade: outras vezes, são tão levianas, tão frívolas, tão triviais mesmo, que a razão se recusa a crer que possam proceder da mesma fonte.

Essa diversidade de linguagens não pode se explicar senão pela diversidade de inteligências que se manifestam. Essas inteligências estão na Humanidade ou fora dela? Tal é o ponto a esclarecer e do qual se encontrará explicação completa nesta obra, tal como foi dada pelos próprios Espíritos.

Eis aqui, pois, efeitos patentes que se produzem fora do círculo habitual de nossas obervações, que não se passam com mistério, mas à luz do dia, que todos podem ver e constatar, que não são privilégios apenas de um indivíduo, mas que milhares de pessoas repetem todos os dias, à vontade. Esses efeitos têm, necessariamente, uma causa, e do momento que eles revelam a ação de uma