O LIVRO DOS MÉDIUNS - PRIMEIRA PARTE - CAPÍTULO IV 497

cie de  miragem   ou   um efeito de refração, como o que faz ver um   astro,   ou  um objeto na água, fora da sua posição real. Isto seria possível, a rigor; mas aqueles que tiveram testemunho desse fenômeno, puderam constatar o isolamento  passando sob a mesa suspensa, o que parece difícil se ela não estiver desprendida do solo. Por outro lado, ocorreu  muitas   vezes  que a mesa se quebrou em caindo: dir-se-á  também  que   nisso  não há senão um efeito de ótica?

Uma causa fisiológica bem conhecida, sem dúvida, faz crer-se ver girar uma coisa que não se move, ou crer-se girar a si mesmo quando está imóvel; mas quando várias pessoas, ao redor de uma mesa, são arrastadas por um movimento tão rápido que têm dificuldade em segui-la, e algumas por vezes lançadas por terra, dir-se-á que todas estão tomadas de vertigem, como o bêbado que crê ver passar sua casa diante de si?

41. Sistema do  músculo  estalante.  Se assim é para a visão, não poderia ser de outra forma quanto à audição, e, quando as pancadas são ouvidas por toda uma assembléia, não se pode, razoavelmente, atribuí-las a uma ilusão. Descartamos,  evidentemente, toda idéia de fraude, e   supomos   que   uma observação atenta constatou que elas   não  são   devidas a  nenhuma causa fortuita ou material.

É verdade que  um   sábio   médico  deu-lhe uma explicação, segundo   ele,   peremptória  (1). "A causa está, disse ele,   nas   contrações voluntárias ou involuntárias do tendão  do músculo curto-perônio". A esse respeito, entra nos detalhes anatômicos, os mais completos, para demonstrar por  qual mecanismo esse tendão pode produzir esses ruídos, imitar as pancadas do tambor, e mesmo executar  árias  ritmadas:  donde  ele  conclui  que  aqueles que crêem ouvir pancadas em uma mesa são vítimas de uma


(1) Sr. Jobert (de Lamballe). Para ser justo, é necessário dizer que esta descoberta é devida ao Sr. Schiff: o Sr. Jobert desenvolveu-lhe as conseqüências diante da Academia dos Médicos para dar o golpe de misericórdia nos Espíritos batedores. Encontrar-se-ão todos os detalhes na Revista Espírita do mês de junho de 1859.