O LIVRO DOS ESPÍRITOS - INTRODUÇÃO 50

inteligência e de uma vontade, saem do domínio puramente físico. Várias teorias foram emitidas a esse respeito. Examiná-las-emos todas em sua hora, e veremos  se  elas  podem  fornecer a razão de todos os fatos que se produzem. Admitamos, até lá, a existência de seres distintos da Humanidade, uma vez que tal é a explicação fornecida pelas inteligências que se revelam, e vejamos o que nos dizem.

VI

Os próprios seres que se comunicam se designam, como o dissemos, sob o nome de Espíritos ou de gênios, e como tendo pertencido, pelo menos alguns, a homens que viveram sobre a Terra.

Constituem o mundo espiritual, como nós constituímos, durante a nossa vida, o mundo corporal.

Resumimos assim, em poucas palavras, os pontos mais importantes da doutrina que eles nos transmitiram, a fim de responder mais facilmente a certas objeções.

"Deus é eterno, imutável, imaterial, único, todo-poderoso, soberanamente justo e bom.

Criou o Universo que compreende todos os seres animados e inanimados, materiais e imateriais.

Os seres materiais constituem o mundo visível ou corporal e os seres imateriais o mundo invisível ou espírita, quer dizer, dos Espíritos.

O mundo espírita é o mundo normal, primitivo, eterno, preexistente e sobrevivente a tudo.

O mundo corporal não é senão secundário; poderia cessar de existir, ou não ter jamais existido, sem alterar a essência do mundo espírita.

Os Espíritos revestem, temporariamente, um envoltório material perecível, cuja destruição, pela morte, os torna livres.

Entre as diferentes espécies de seres corpóreos, Deus escolheu a espécie humana para a encarnação dos Espíritos que atingiram um certo grau de desenvolvimento, o que lhe dá a superioridade moral e intelectual sobre os outros.

A alma é um Espírito encarnado, do qual o corpo não é senão um envoltório.

Há no homem três coisas: 1º - o corpo ou ser material aná-