O LIVRO DOS MÉDIUNS - PRIMEIRA PARTE - CAPÍTULO IV 504

de  Deus   e   dos   homens, por que recomenda orar a Deus, se submeter à sua vontade, sofrer sem murmurar as tribulações da vida, não ambicionar nem as honras nem as riquezas, praticar a caridade e todas as máximas de Cristo; em   uma   palavra,  fazer tudo o que é necessário para destruir  seu   império? Se   é o demônio que dá tais conselhos, é   preciso   convir que, por astuto que seja, é bem inábil  para  prover armas contra si mesmo. (1)

7ª Se os Espíritos se comunicam é porque Deus o permite; vendo as boas e a más comunicações, não é mais lógico pensar que Deus permite umas para nos experimentar, e outras para nos aconselhar o bem?

8ª Que pensaríeis de um pai que deixasse seu filho à mercê de exemplos e conselhos perniciosos, que o afastasse de si, e que lhe proibisse ver as pessoas que o pudessem desviá-lo do mal? O que um bom pai não faria, deve-se pensar que Deus, que é a bondade por excelência, fizesse menos do que faria um homem?

9ª A   Igreja   reconhece   como autênticas certas manifestações da Virgem e outros santos, nas aparições, visões, comunicações orais, etc; esta crença não é contraditória   com a doutrina da comunicação exclusiva dos demônios?

Cremos que certas pessoas professaram essa doutrina de boa fé; mas cremos, também, que outras o fizeram unicamente  para evitarem de se ocupar com essas coisas, por  causa  das  más   comunicações a que estão expostos a receber; dizendo  que só   o  diabo se manifesta, quiseram   assustar, mais ou menos como quando se diz a uma criança: não toques   nisto,  porque   isto   queima.  A intenção pode ser boa, mas o fim é errado; porque a proibição só


(1) Esta questão foi tratada em O Livro dos Espíritos (nº 128 e seguintes); mas recomendamos, a esse respeito, como sobre tudo o que toca à parte religiosa, a brochura intitulada: Carta de um católico sobre o Espiritismo, por M. o doutor Grand, antigo consul de França (Casa Ledoyen. In-18; preço 1 franco), assim como a que vamos publicar sob o título de : Os contraditores do Espiritismo, do ponto de vista da religião, da ciência e do materialismo.