O LIVRO DOS MÉDIUNS - SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO V 544

86. Há vários anos, no começo dos meus estudos sobre o  Espiritismo,  estando  uma tarde ocupado com um trabalho sobre essa matéria, pancadas se fizeram ouvir ao meu   redor,  durante quatro horas consecutivas; era a primeira vez que semelhante coisa me acontecia; constatei que não havia nenhuma causa acidental, mas, no momento, não pude saber mais a respeito. Nessa época, tinha a oportunidade de ver, freqüentemente, um excelente médium  escrevente.   No  dia  seguinte,  interroguei o Espírito, que se comunicava por seu intermédio, sobre a causa dessas  pancadas.  Era  teu  Espírito familiar que queria te falar, me foi respondido. – E o que queria ele me dizer? Resposta: Tu mesmo podes lhe perguntar, porque ele está aqui.  Tendo,  pois,  interrogado esse Espírito, se fez conhecer   por  um  nome  alegórico   (soube   depois,   por outros Espíritos, que ele pertencia a uma ordem muito elevada, e que  desempenhou  um papel muito importante sobre a Terra);  me  assinala  os  erros  no  meu  trabalho,  indicando as  linhas  onde se  encontram, me dá conselhos úteis e sábios,  e acrescenta que estará sempre comigo, e virá ao meu   chamado  todas as vezes que quizer interrogá-lo. Desde então, com efeito, esse Espírito jamais me deixou. Deu-me muitas provas de uma grande superioridade, e sua  intervenção benevolente e eficaz foi-me manifestada nos  negócios  da  vida  material,  como  no  que   toca às coisas metafísicas. Mas, desde a nossa primeira conversa, as pancadas cessaram. O que queria afinal? Entrar em comunicação regular comigo; para isso era preciso me advertir.  Feita a advertência, depois explicada, as relações regulares estabelecidas, as pancadas tornaram-se   inúteis, por isso   cessaram.   Não  se   bate mais o tambor  para  despertar os   soldados  uma vez que já estão de pé.

Um   fato quase semelhante ocorreu com um dos nossos amigos. Desde há algum tempo, em seu quarto ouviam-se ruídos diversos, que se tornaram muito incômodos. Quando  se   apresentou ocasião de   interrogar  o Espírito de seu pai, por um médiun escrevente, soube o que queriam dele,  fez  o  que  lhe foi recomendado, e desde então não ouviu  mais  nada.  Note-se que as pessoas que têm, com os