O LIVRO DOS MÉDIUNS - SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO VI 568

cegos pelo orgulho. Sabeis que existem pessoas que viram e que não crêem mais por isso, uma vez que dizem serem ilusões. Não vos inquieteis por estas pessoas, Deus se encarrega delas.

Nota: Haveria tanto inconveniente em se ver constantemente em presença dos Espíritos, como ver o ar que nos rodeia, ou as miríades de animais microscópicos que pululam ao redor de nós e sobre nós. De onde devemos concluir que o que Deus faz é bem feito, e que sabe melhor do que nós o que nos convém.

8. Se a visão dos Espíritos é inconveniente, por  que é permitida em certos casos?

É para dar uma prova de que não morre tudo com o corpo,  e   que   a  alma  conserva   a sua individualidade depois da  morte.  Essa   visão   passageira   basta para dar essa prova  e   atestar a  presença  de vossos amigos perto  de vós;  mas  não tem os inconvenientes da permanência.

9. Nos mundos mais avançados que o nosso, a visão dos Espíritos é mais freqüente?

Quanto mais o homem se aproxima da natureza espiritual, mais facilmente entra em relação com os Espíritos; é a grosseria do vosso envoltório que torna mais difícil e mais rara a percepção dos seres etéreos.

10. É racional se amedrontar com a aparição de um Espírito?

Aquele  que reflete, deve compreender que um Espírito, qualquer que seja, é menos perigoso do que um vivo. Os Espíritos, aliás, vão por toda parte e não se tem necessidade de vê-los para saber que se pode tê-los ao vosso lado. O Espírito  que  quisesse causar dano, poderia causá-lo sem se   fazer  ver, e mesmo  com mais segurança; não é perigoso  porque  é  Espírito,  mas pela influência que pode exercer sobre o pensamento, desviando do bem e compelindo ao mal.

Nota. As pessoas que têm medo na solidão ou obscuridade, raramente têm consciência da causa do seu pavor;  não saberiam