O LIVRO DOS MÉDIUNS - SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO VI 578

poderosos (1), e que têm toda a autenticidade de testemunhos irrecusáveis, provam e explicam os que a história relaciona a respeito de pessoas que se mostraram, depois da morte, com todas as aparências da realidade. Além disso, como dissemos, por extraordinários que sejam semelhantes fenômenos, todo o maravilhoso desaparece quando se conhece a maneira pela qual se produzem, e se compreende que, longe de serem uma derrogação das leis da Natureza, são delas apenas uma nova aplicação.

105. Pela sua natureza e em seu estado normal, o perispírito é invisível,  e   tem isso de comum com uma porção de fluidos que  sabemos   existir, mas   que jamais vimos; mas pode também, como certos fluidos, sofrer modificações   que o tornam perceptível à visão, seja por uma espécie de condensação, seja por uma alteração, seja por  uma alteração em sua disposição molecular; é quando nos  aparece  sob  uma forma vaporosa. A condensação (e não  é preciso tomar esta palavra ao pé da letra, de vez que a empregamos na falta de outra e a título de comparação), a condensação, dizíamos, pode ser tal que o perispírito adquire as propriedades de um corpo sólido e tangível; mas pode, instantaneamente, retomar seu estado etéreo  e  invisível. Podemos nos inteirar desse efeito pelo do vapor, que pode passar da invisibilidade ao estado brumoso,  depois  líquido,  depois  sólido  e   vice-versa. Estes  diferentes  estados  do   perispírito resultam da vontade do  Espírito,  e não de uma causa física exterior como em nosso gás. Quando  nos  aparece é porque  colocou seu perispírito  no estado   necessário para torná-lo visível; mas para  isso sua  vontade   não  basta, porque a modificação do perispírito  se  opera  pela sua combinação com o fluido próprio do médium; ora, esta combinação não é sempre possível,  o   que explica porque a visibilidade dos Espíritos não é geral. Assim, não basta que o Espírito queira se mostrar; não basta, também que uma pessoa queira vê-lo: é necessário que os dois fluidos possam se combinar, que haja entre eles uma espécie de afinidade; pode ser também que a emissão de fluido da pessoa seja bastante  abundante


(1) Entre outros, o Sr. Home.