O LIVRO DOS ESPÍRITOS - INTRODUÇÃO 61

reis; os fatos aí estão para todos; a menos que não seja a elas que se apliquem estas palavras de Jesus: Têm olhos e não vêem, têm ouvidos e não ouvem.

Uma variante dessa opinião consiste na de não ver, nas comunicações espíritas, em todos os fatos materiais a que elas dão lugar, senão a intervenção de uma força diabólica, novo Proteu que revestiria todas as formas para melhor nos enganar. Não a cremos suscetível de um exame sério, por isso nela não nos deteremos; ela se encontra refutada por aquilo que dissemos; aditaremos somente que se assim fosse, seria preciso convir que o diabo, algumas vezes, é bem sábio, bem razoável e, sobretudo, bem moral, ou que há também bons diabos.

Como crer, com efeito, que Deus não permite senão ao Espírito do mal de se manifestar para nos perder, sem nos dar, por contrapeso, os conselhos dos bons Espíritos? Se ele não o pode, não tem poder; se pode e não o faz, isso é incompatível com a sua bondade; uma ou outra suposição seria uma blasfêmia. Notai que admitir a comunicação dos maus Espíritos é reconhecer o princípio das manifestações; ora, do momento que elas existem, isso não pode ser senão com a permissão de Deus. Como crer, sem impiedade, que ele não permite senão o mal com exclusão do bem? Uma tal doutrina é contrária às mais simples noções do bom senso e da religião.

XI

Uma coisa bizarra, acrescentam, é que não se fala senão com Espíritos de personagens conhecidas, e pergunta-se por que só eles se manifestam. É um erro proveniente, como muitos outros, de uma observação superficial. Entre os Espíritos que vêm espontaneamente, há mais desconhecidos para nós do que ilustres, que se designam por um nome qualquer e, freqüentemente, por um nome alegórico ou característico. Quanto àqueles que se evocam, a menos que não seja um parente ou amigo, é bastante natural que se dirija àqueles que se conhece mais, do que àqueles que não se conhece. O nome de personagens ilustres impressiona mais e é por isso que são mais notados.

Acham singular, ainda, que os Espíritos de homens eminentes venham familiarmente ao nosso apelo e se ocupem, algumas vezes, de coisas insignificantes em comparação com as que realizaram durante a sua vida. Isso não tem nada de espantoso para aqueles que sabem que a força ou a consideração da qual esses homens gozaram neste mundo não lhes dá nenhuma supremacia no mundo dos Espíritos. Os Espíritos confirmam nisso estas pa-