O LIVRO DOS ESPÍRITOS - INTRODUÇÃO 62

lavras do Evangelho: "Os grandes serão rebaixados e os pequenos elevados", o que se deve entender como a posição que cada um de nós ocupará entre eles. É assim que, aquele que foi o primeiro sobre a Terra, pode lá encontrar-se como um dos últimos; aquele diante do qual curvamos a cabeça durante sua vida pode, pois, vir entre nós como o mais humilde operário, porque, deixando a vida, ele deixou toda a sua grandeza, e o mais poderoso monarca pode ser que esteja abaixo do último dos seus soldados.

XII

Um fato demonstrado pela observação e confirmado pelos próprios Espíritos é que os Espíritos inferiores tomam emprestado, freqüentemente, nomes conhecidos e reverenciados. Quem, pois, pode nos assegurar que aqueles que dizem ter sido, por exemplo, Sócrates, Júlio César, Carlos Magno, Fénelon, Napoleão, Washington, etc., tenham realmente animado esses personagens? Essa dúvida existe entre muitos adeptos fervorosos da Doutrina Espírita; eles admitem a intervenção e a manifestação dos Espíritos, mas se perguntam qual o controle que se pode ter de sua identidade.

Esse controle é, com efeito, bastante difícil de se estabelecer; se ele não o pode ser de maneira bastante autêntica, como por um ato de estado civil, pode-o ao menos por presunção, depois de certos indícios.

Quando o Espírito de qualquer um que nos é pessoalmente conhecido se manifesta, um parente ou um amigo, por exemplo, sobretudo se morreu há pouco tempo, ocorre, em geral, que sua linguagem está em relação perfeita com o caráter que lhe conhecemos; é já um indício de identidade. Mas a dúvida não é quase mais permitida quando esse Espírito fala de coisas íntimas, lembra de circunstâncias de família que não são conhecidas senão do interlocutor. Um filho não se equivocaria seguramente com a linguagem de seu pai e de sua mãe, nem os pais sobre a dos seus filhos. Passam-se, algumas vezes, nessas espécies de evocações íntimas, coisas surpreendentes, de natureza a convencer o mais incrédulo. O cético mais endurecido, freqüentemente, fica assombrado com as  revelações  inesperadas que lhe são feitas.

Uma outra circunstância, muito característica, vem em apoio da identidade.

Dissemos que a escrita do médium muda geralmente com o Espírito evocado, e que essa escrita se reproduz exatamente a