O LIVRO DOS MÉDIUNS - SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO XVI 660

cia do meio, e que a maioria dos médiuns noturnos poderia alcançar, pelo exercício, e atuar tão bem no claro como na obscuridade. Esta variedade de médiuns é pouco   numerosa;   e,  é preciso dizê-lo, graças a essa condição que deixa toda liberdade  ao  emprego   de   truques, da ventriloquia e dos  tubos acústicos; os charlatães, com muita freqüência, têm abusado da credulidade em se fazendo passar por médiuns, a fim de recolher dinheiro. Mas, que importa? Os prestidigitadores   de salão, como os prestidigitadores de praça pública, serão cruelmente desmascarados, e os Espíritos lhes provarão que não é bom se imiscuir em suas obras. Sim, eu o  repito,  certos   charlatães serão castigados de um modo bastante rude, para que se desgostem do ofício de falsos médiuns. De resto, tudo isto só terá um momento."

ERASTO.

Médiuns pneumatógrafos, os que obtêm a escrita direta. Fenômeno muito raro e, sobretudo, muito fácil de ser imitado pelo charlatanismo. (nº 177.)

Nota. Os Espíritos insistiram, contra nossa opinião, em colocar a escrita direta entre os fenômenos de ordem física, pela razão, disseram, de que: "Os efeitos inteligentes são aqueles pelos quais os Espíritos se servem dos materiais cerebrais do médium, o que não ocorre no caso da escrita direta; a ação do médium é aqui toda material, enquanto que no médium escrevente, mesmo completamente mecânico, o cérebro desempenha sempre um papel ativo."

Médiuns curadores; os que têm o poder de curar ou de aliviar pela imposição das mãos ou pela prece.

"Esta faculdade    não  é essencialmente  mediúnica; pertence   a  todo crente verdadeiro, quer  seja médium ou não;   freqüentemente, ela não é senão uma exaltação    do  poder    magnético     fortificado  em caso de   necessidade   pelo  concurso  dos  bons  Espíritos."  (nº 175.)

Médiuns excitadores: pessoas que têm o poder de de-