O LIVRO DOS MÉDIUNS - SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO XVI 663

VARIEDADES DE MÉDIUNS ESCREVENTES

191. 1º - SEGUNDO O MODO DE EXECUÇÃO

Médiuns escreventes ou psicógrafos: os que têm a faculdade de escreverem, eles mesmos, sob a influência dos Espíritos.

Médiuns escreventes mecânicos: aqueles cuja mão recebe um impulso involutário e que não têm nenhuma consciência daquilo que escrevem. Muito raros. (nº 179.)

Médiuns semi-mecânicos: aqueles cuja mão avança involuntariamente, mas que têm a consciência instantânea das palavras ou das frases à medida que escrevem. Os mais comuns. (nº 181.)

Médiuns intuitivos: aqueles com os quais os Espíritos se comunicam pelo pensamento e cuja mão é guiada pela vontade. Diferem dos médiuns inspirados no particular de que estes últimos não têm necessidade de escrever, ao passo que o médium intuitivo escreve o pensamento que lhe é sugerido instantaneamente sobre um assunto determinado e provocado. (nº 180.)

"São muito comuns, mas também muito sujeitos ao erro, porque, freqüentemente, não podem discernir o que provém dos Espíritos ou de si mesmos."

Médiuns polígrafos: aqueles cuja escrita muda com o Espírito que se comunica, ou que estão aptos a reproduzirem a escrita que o Espírito tinha em vida. O primeiro caso é muito comum; o segundo, de identidade de escrita, é muito raro. (nº 219.)

Médiuns poliglotas: os que têm a faculdade de falar ou de escrever em línguas que lhes são estranhas. Muito raros.

Médiuns iletrados: os que escrevem como médiuns, sem saberem nem ler, nem escrever em estado normal.

"Mais raros do que os precedentes; há uma maior dificuldade material a vencer."