O LIVRO DOS MÉDIUNS - SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO XVI 664

192. 2º - SEGUNDO O DESENVOLVIMENTO DA FACULDADE

Médiuns noviços: aqueles cujas faculdades não estão ainda completamente desenvolvidas e que se ressentem da expêriencia necessária.

Médiuns improdutivos: os que não conseguem obter senão coisas insignificantes,   monossílabos,  traços ou letras sem continuidade. (Ver o capítulo da Formação dos médiuns.)

Médiuns feitos ou formados: estes são aqueles cujas faculdades medianímicas estão completamente desenvolvidas, que transmitem as comunicações que recebem com facilidade, prontidão, sem hesitação. Concebe-se que este resultado   não  se  pode obter senão pelo hábito, uma vez que, nos médiuns noviços, as comunicações são lentas e difíceis.

Médiuns lacônicos: aqueles cujas comunicações, embora fáceis, são breves e sem desenvolvimento.

Médiuns explícitos: as comunicações que obtêm têm toda amplitude e toda extensão que se pode esperar de um escritor consumado.

"Esta aptidão   prende-se   à   expansão e à facilidade de combinação de fluidos; os Espíritos os procuram para tratarem de assuntos que comportem grandes desenvolvimentos."

Médiuns experimentados:   a   facilidade   de execução é  um   assunto do   hábito que se adquire, freqüentemente, em pouco tempo, enquanto que a experiência é o resultado de um estudo sério de todas as dificuldades que se apresentam   na   prática do Espiritismo. A experiência dá ao médium o tato necessário para apreciar a natureza dos Espíritos   que  se  manifestam, julgar suas qualidades boas ou   más   pelos  mais minuciosos   sinais, discernir a velhacaria dos Espíritos enganadores que se abrigam sob as aparências da verdade. Compreende-se facilmente a importância   desta  qualidade,   sem   a   qual todas as outras são sem   utilidade  real;  o   mal é que muitos médiuns con-