O LIVRO DOS MÉDIUNS - SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO XVI 665

fundem   a  experiência, fruto do estudo, com a aptidão, produto do organismo; crêem-se mestres porque escrevem facilmente; repudiam todos os conselhos e tornam-se a presa de Espíritos mentirosos e hipócritas que os conquistam lisonjeando seu orgulho. (Ver, mais adiante, o capítulo da Obsessão.)

Médiuns flexíveis: aqueles cujas faculdades se prestam mais facilmente aos gêneros de comunicações, e pela qual todos os Espíritos, ou quase todos, podem se manifestar, espontaneamente ou por evocação.

"Esta variedade de médiuns se aproxima muito da dos médiuns sensitivos."

Médiuns exclusivos: aqueles pelos quais um Espírito se manifesta de preferência, e mesmo com a exclusão de todos os outros, e responde por aqueles que se chamam por intermédio do médium.

"Isto se prende sempre a uma falta de flexibilidade; quando  o Espírito é bom, pode se ligar ao médium por simpatia e com uma finalidade louvável; quando é mau, é sempre com a intenção de colocar o médium sob sua dependência.  É  antes  um   defeito do que uma qualidade, e   muito   vizinho  da   obsessão (Ver o capítulo da Obsessão.)

Médiuns de evocações: os médiuns flexíveis são, naturalmente os mais próprios a este gênero de comunicações e às perguntas de detalhes que se podem dirigir aos Espíritos. Sob este aspecto, há médiuns muito especiais.

"Suas respostas se encerram, quase sempre, num quadro restrito, incompatível com o desenvolvimento dos assuntos gerais."

Médiuns de ditados espontâneos: recebem, de preferência,   comunicações  espontâneas  da  parte   de   Espíritos que se apresentam sem serem chamados. Quando esta faculdade é especial num médium, é difícil, e algumas vezes mesmo impossível, fazer uma evocação por seu intermédio.