O LIVRO DOS MÉDIUNS - SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO XVI 666

"Entretanto, são melhor aparelhados do que os da variedade precedente. Compreendei que, por aparelhagem, se entendem aqui os materiais cerebrais, porque é preciso, freqüentemente, direi mesmo sempre, maior soma de inteligências para os ditados espontâneos do que para as evocações. Entendei aqui por ditados espontâneos os que, verdadeiramente, merecem esse nome, e não algumas frases incompletas ou alguns pensamentos banais que se encontram em todas as estantes humanas."

193. 3º SEGUNDO O GÊNERO E A ESPECIALIDADE DAS COMUNICAÇÕES

Médiuns versificadores: obtêm, mais facilmente do que os outros, comunicações versificadas. Bastante comuns para os maus versos; muito raros para os bons.

Médiuns poéticos: sem obterem versos, as comunicações que recebem têm alguma coisa de vaporosa, de sentimental; nada neles denota rudeza; são, mais do que os outros, próprios à expressão de sentimentos ternos e afetuosos. Neles tudo é vago, e seria inútil pedir-lhes algo preciso. Muito comuns.

Médiuns positivos: suas comunicações têm, em geral, um caráter de clareza e de precisão que se presta voluntariamente aos detalhes circunstanciais, às notícias exatas. Bastante raros.

Médiuns literários: não têm nem o vago dos médiuns poéticos nem o terra-a-terra dos médiuns positivos; mas dissertam com sagacidade; seu estilo é correto, elegante e, freqüentemente, de uma notável eloqüência.

Médiuns incorretos: podem obter coisas muito boas, pensamentos de uma moralidade irrepreensível, mas seu estilo é difuso, incorreto, sobrecarregado de repetições e de termos impróprios.

"A    incorreção  material do estilo prende-se, geralmente, à falta   de cultura   intelectual do médium que não é,   para  o Espírito, um bom instrumento sob esse aspecto; o   Espírito a  isso liga pouca importância; para ele o pensa-