O LIVRO DOS MÉDIUNS - SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO XVI 668

Médiuns de comunicações triviais e obscenas: essas palavras indicam o gênero de comunicações que certos médiuns recebem habitualmente, e  a   natureza dos Espíritos   que  as   dão. Quem tenha estudado o mundo espírita em todos os graus da escala, sabe que os há cuja perversidade iguala com a dos homens mais depravados, e que se comprazem em exprimir seus pensamentos em termos os mais grosseiros. Outros, menos abjetos, se contentam com expressões  triviais. Compreende-se que esses médiuns devem   ter   o   desejo de ficarem livres da preferência desses Espíritos, e que devem invejar aqueles que, nas comunicações   que recebem, não tiveram jamais uma palavra malsã. Seria  preciso   uma   estranha   aberração de idéias   e  ter-se divorciado do bom-senso, para crer que uma   semelhante   linguagem   possa ser a dos bons Espíritos.

194. 4º - SEGUNDO AS QUALIDADES FÍSICAS DO MÉDIUM

Médiuns calmos: escrevem sempre com certa lentidão, e sem experimentar a menor agitação.

Médiuns velozes:   escrevem com uma rapidez maior do   que poderiam fazê-lo voluntariamente, no estado normal.  Os Espíritos se comunicam por eles com a prontidão do relâmpago; dir-se-ia que há neles uma superabundância de fluido que lhes permite se identificar instantaneamente com o Espírito. Esta qualidade, algumas vezes,  é   inconveniente, porque a rapidez da escrita torna esta  muito   difícil  para ser lida por qualquer outro que não seja o médium.

"É   muito  cansativa, porque desprende muito fluido inutilmente."

Médiuns convulsivos: são de um estado de excitação quase febril; sua mão, e algumas vezes toda a sua pessoa, é agitada por um tremor que   não  podem dominar. A causa primeira, sem dúvida, está no organismo, mas depende muito   também   da natureza dos Espíritos que se comunicam por eles; os Espíritos bons e benevolentes produzem