O LIVRO DOS ESPÍRITOS - INTRODUÇÃO 70

cações são, freqüentemente, espontâneas e contradizem todas as idéias preconcebidas, eles não ficam atrás por tão pouca coisa.

A irradiação, dizem eles, se estende muito além do círculo imediato que nos cerca; o médium é o reflexo da Humanidade inteira, de tal sorte que se ele não haure suas inspirações no ambiente, vai procurá-las fora, na cidade, no país, em todo o globo, e mesmo em outras esferas.

Não penso que se encontre nessas teorias uma explicação mais simples e mais provável que aquela do Espiritismo, porque ela supõe uma causa bem mais maravilhosa. A idéia de que seres povoam os espaços e que, estando em contato permanente conosco, nos comunicam seus pensamentos, nada tem que choque mais a razão que a suposição dessa irradiação universal, de todos os pontos do Universo, se concentrar no cérebro de um indivíduo.

Ainda uma vez, e está aí um ponto capital sobre o qual não poderíamos insistir muito: a teoria sonambúlica e a que se poderia chamar refletiva foram imaginadas por alguns homens; são opiniões individuais criadas para explicar um fato, enquanto que a Doutrina dos Espíritos não é de concepção humana. Ela foi ditada pelas próprias inteligências que se manifestam, quando ninguém não as sonhava e a opinião geral as repudiava. Ora, perguntamos: onde os médiuns hauriram uma doutrina que não existia no pensamento de ninguém sobre a Terra? Perguntamos, por outro lado: por qual estranha coincidência, milhares de médiuns disseminados sobre todos os pontos do globo, que jamais se viram, se combinaram para dizer a mesma coisa? Se o primeiro médium que apareceu na França suportou a influência de opiniões já aceitas na América, por que esquisitice foi procurar suas idéias a 2000 léguas além do mar, entre um povo estranho de costumes e de linguagem, em lugar de as tomar ao seu redor?

Mas há uma outra circunstância sobre a qual não se tem pensado o bastante. As primeiras manifestações, na França, como na América, não ocorreram pela escrita, nem pela palavra, mas por pancadas concordando com as letras do alfabeto, e formando palavras e frases. Foi por esse meio que as inteligências que se revelaram, declararam ser Espíritos. Se, pois, poder-se-ia supor a intervenção do pensamento dos médiuns nas comunicações verbais ou escritas, o mesmo não ocorreria com as pancadas, cuja significação não poderia ser conhecida previamente.