O LIVRO DOS MÉDIUNS - SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO XX 717

çados e adquiriram experiência, a gralha que se adorna com plumas de pavão é sempre implacavelmente despedida.

"Não falarei dos médiuns que se comprazem em solicitar e escutar comunicações indecentes; deixemos que se comprazam na sociedade dos Espíritos cínicos. Aliás, as comunicações desta ordem procuram, elas mesmas, a solidão e o isolamento; não poderiam, em todo caso, senão provocar o desdém e o desgosto entre os membros dos grupos filosóficos e sérios. Mas onde a influência moral do médium se faz realmente sentir, é quando este substitui suas idéias pessoais às que os Espíritos se esforçam por lhe sugerir;   é então  quando  haure na sua imaginação as teorias fantásticas  que  ele   próprio   crê, de boa-fé, resulta de  uma  comunicação intuitiva. Há, freqüentemente, então, mil  a  apostar  contra  um  que  isso  não  é  senão  o reflexo do   Espírito pessoal do médium; ocorre mesmo o fato curioso de que a mão do médium se move, algumas vezes, quase mecanicamente, impelida que é por um Espírito secundário  e  zombeteiro.   É   contra  essa pedra de toque que vêm se quebrar as imaginações ardentes; porque arrastados pelo entusiasmo de suas próprias idéias, pelo falso brilho dos seus conhecimentos literários, os médiuns desconhecem o modesto ditado de um sábio Espírito e, abandonando a presa pela sombra, o substituem por uma paráfrase pomposa. É contra esse temível escolho que vêm igualmente malograr as personalidades ambiciosas que, à falta de boas comunicações que os bons Espíritos lhes recusam,  apresentam  suas próprias obras como obras desses mesmos Espíritos. Eis porque é preciso que os dirigentes dos grupos  espíritas estejam    dotados  de um tato excelente, e de uma rara sagacidade, para discernirem as   comunicações  autênticas daquelas  que não o são, e para não melindrar os que se iludem a si mesmos.

"Na dúvida, abstém-te, diz um dos vossos antigos provérbios;   não  admitais,   pois, o que não for para vós de uma evidência certa. Desde que uma opinião nova se apresenta,   por  pouco que vos pareça duvidosa, passai-a pelo   crivo   da   razão e da lógica; o que a razão e o bom-senso   reprovam,  rejeitai  ousadamente; vale mais repelir dez   verdades  do que admitir uma só mentira, uma só falsa