O LIVRO DOS MÉDIUNS - SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO XXIII 738

sem contar   que   não  pode tudo conhecer, e que giram quase sempre no mesmo círculo. (nº 192; Médiuns exclusivos.)

249. Os   meios   de combater a obsessão variam segundo o caráter que ela reveste. O perigo não existe realmente   para  todo médium bem convencido de ter relações   com   um Espírito mentiroso, como ocorre na obsessão simples; não é para ele senão uma coisa desagradável. Mas, precisamente porque isso lhe é desagradável, é uma razão  a  mais para o Espírito obstinar-se atrás dele para vexá-lo. Duas  coisas essenciais  se   tem  a fazer nesse caso: provar ao Espírito que não se é seu iludido, e que lhe é impossível nos enganar; em segundo lugar, cansar-lhe a paciência   em  se mostrando mais paciente do que ele; se bem convencido de que perde seu tempo, acabará por se retirar, como o fazem, os importunos aos quais não se dá ouvidos.

Mas isso não basta sempre, e pode ser demorado, porque   há  os que são tenazes, e para eles meses e anos não   são  nada. Por outro lado, o médium deve fazer um apelo fervoroso ao seu bom anjo, como também aos bons Espíritos   que lhe são simpáticos, e pedir-lhes que o assistam.  Com   respeito  ao  Espírito   obsessor, por mau que  seja,  é   preciso  tratá-lo com severidade, mas com benevolência   e   vencê-lo  pelo  bom proceder, orando por ele.   Se   é realmente perverso, disso zombará no início; mas moralizando-o com perseverança, acabará por se emendar: é uma conversão a empreender, tarefa freqüentemente penosa, ingrata, desagradável mesmo, mas cujo mérito está na dificuldade, e que, se for bem cumprida, dá sempre a satisfação de realizar um dever de caridade e, freqüentemente, a de ter conduzido ao bom caminho uma alma perdida.

Convém   igualmente interromper toda comunicação escrita  desde que se reconheça que vem de um mau Espírito, que não quer ser razoável, a fim de não lhe dar o  prazer de ser escutado. Em certos casos mesmo pode ser útil em parar de escrever por um tempo; regula-se segundo as circunstâncias. Mas se o médium escrevente pode evitar esses  contatos abstendo-se de escrever, não ocorre o mesmo  com  o   médium  audiente  que  o  Espírito obsessor