O LIVRO DOS MÉDIUNS - SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO XXV 790

Não, mas é preciso que o estado do corpo permita ao Espírito desprender-se nesse momento. O Espírito encarnado vem tanto mais facilmente quanto o mundo onde se encontra seja de uma ordem mais elevada, porque os corpos aí são menos materiais.

38. Pode-se evocar o Espírito de uma pessoa viva?

Sim, uma vez que se pode evocar um Espírito encarnado. O Espírito de um vivo pode também, nesses momentos de liberdade, se apresentar sem ser evocado; isso depende de sua simpatia pelas pessoas com as quais se comunica. (Ver nº 116, a História do homem da tabaqueira.)

39. Em qual estado está o corpo da pessoa cujo Espírito se evoca?

Dorme ou dormita; é então que o Espírito está livre.

O corpo poderia despertar enquanto o Espírito está ausente?

Não, o Espírito é forçado a reentrar nele; se, nesse momento, conversa convosco, vos deixa e, freqüentemente, disso vos diz o motivo.

40. Como o Espírito, ausente do corpo, é advertido da necessidade de sua presença?

O Espírito de um corpo vivo, dele não está jamais completamente separado; a qualquer distância que se transporte, a ele se prende por um laço fluídico que serve para chamá-lo quando isso é necessário; esse laço não se rompe senão com a morte.

Nota. Esse laço fluídico, com freqüência, tem sido percebido por médiuns videntes. É uma espécie de rastro fosforescente que se perde no espaço e na direção do corpo. Certos Espíritos disseram que é por isso que reconhecem os que pertencem ainda ao mundo corporal.

41. Que ocorreria se, durante o sono, e na ausência do Espírito, o corpo fosse ferido mortalmente?