O LIVRO DOS MÉDIUNS - SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO XXVI 805

São Espíritos gracejadores de mau gosto, e de muito mau gosto, que não têm por objetivo senão gozarem pelo medo que causam. Nunca se deve se preocupar com isso.

14. Como ocorre que certas pessoas sejam advertidas por pressentimentos da época da sua morte?

O mais freqüentemente, é o seu próprio Espírito que o sabe em seus momentos de liberdade, e que disso conserva uma intuição ao despertar. Por isso essas pessoas, para isso estando preparadas, não se amedrontam nem se emocionam. Elas não vêem, nessa separação do corpo e da alma, senão uma mudança de situação, ou se gostais mais e para ser mais vulgar, o abandono de uma veste de pano grosseiro por uma veste de seda. O medo da morte diminuirá à medida que se espalharem as crenças espíritas.

290. Perguntas sobre as existências passadas e futuras

15. Os Espíritos podem nos fazer conhecer nossas existências passadas?

Deus permite, algumas vezes, que sejam reveladas, segundo o objetivo; se é para vossa edificação e vossa instrução, serão verdadeiras, e, nesse caso, a revelação é quase sempre feita espontaneamente, de modo inteiramente imprevisto; mas jamais o permite para satisfazer a uma vã curiosidade.

Por que certos Espíritos jamais se recusam a essas espécies de revelações?

São Espíritos zombeteiros que se divertem às vossas custas. Em geral, deveis considerar como falsas, ou pelo menos suspeitas, todas as revelações dessa natureza que não têm um fim eminentemente sério e útil. Os Espíritos gracejadores se comprazem em adular o amor-próprio por pretendidas origens. Há médiuns e crentes que aceitam por dinheiro contado o que lhes é dito sobre esse ponto, e que não vêem que o estado atual do seu Espírito não justifica em nada a classe que pretendem ter ocupado; pequena vaidade com a qual se divertem os Espíritos zombeteiros, assim como os homens. Seria mais lógico e mais conforme