O LIVRO DOS MÉDIUNS - SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO XXVI 806

à marcha progressiva dos seres que tivessem subido do que terem descido, o que seria mais honroso para eles. Para que se

pudesse dar fé a essas espécies de revelações, seria preciso que fossem feitas espontaneamente por diversos médiuns estranhos uns aos outros, e que tivesse sido revelada anteriormente; então, aí, haveria razão evidente para crer.

Se não se pode conhecer a individualidade anterior, ocorre o mesmo com o gênero de existência que se teve, com a posição social que se ocupou, com as qualidades e defeitos que predominaram em nós?

Não, isso pode ser revelado, porque podereis tirar proveito para vossa melhoria; mas, por outro lado, estudando vosso presente, vós mesmos podeis deduzir vosso passado. (Ver O Livro dos Espíritos: Esquecimento do passado, nº 392.)

16. Pode nos ser revelada alguma coisa sobre nossas existências futuras?

Não; tudo o que vos disserem os Espíritos a esse respeito não será senão uma pilhéria; e isso se compreende: vossa existência futura não pode ser decidida antecipadamente, uma vez que será o que vós mesmos tiverdes feito por vossa conduta sobre a Terra, e pelas resoluções que tomardes quando fordes Espíritos. Quanto menos tiverdes a expiar, mais será feliz; mas saber onde e como será essa existência, ainda uma vez, é impossível, salvo o caso especial e raro de Espíritos que não estão na Terra senão para cumprirem uma missão importante, porque então seu roteiro, de alguma forma, está traçado de antemão.

291. Perguntas sobre os interesses morais e materiais

17. Podem pedir-se conselhos aos Espíritos?

Sim, certamente; os bons Espíritos jamais recusam ajudar àqueles que os invocam com confiança, principalmente naquilo que toca à alma; mas repelem os hipócritas, os que têm o ar de pedirem a luz mas que se comprazem nas trevas.