O LIVRO DOS MÉDIUNS - SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO XXVII 826

Se isso abalasse sua crença, seria porque sua fé não era muito forte; as que renunciassem ao Espiritismo por um simples desapontamento, provariam que não o compreendem, e que não se apegam à parte séria. Deus permite as mistificações para provar a perseverança dos verdadeiros adeptos, e punir os que dele fazem um objeto de diversão. O ESPÍRITO DE VERDADE

Nota. A astúcia dos Espíritos mistificadores excede, algumas vezes, tudo o que se pode imaginar; a arte com a qual dirigem suas baterias e combinam os meios de persuadirem, seria uma coisa curiosa se não se tratasse sempre senão de inocentes brincadeiras; mas essas mistificações podem ter conseqüências desagradáveis para aqueles que não se mantém em guarda; somos bastante felizes por termos podido abrir, a tempo, os olhos a várias pessoas que decidiram pedir nosso conselho, e lhes haver afastado de ações ridículas e comprometedoras. Entre os meios que esses Espíritos empregam, é preciso colocar em primeira linha, como sendo os mais freqüentes, os que têm por objetivo tentar a cupidez, como a revelação de pretensos tesouros ocultos, o anúncio de heranças ou outras fontes de fortuna. Por outro lado, deve-se considerar como suspeitas, em primeiro lugar, as predições com data fixa, assim como todas as indicações precisas relativas aos interesses materiais; guardar-se de toda diligência prescrita ou aconselhada pelos Espíritos, quando o objetivo não seja eminentemente racional; não se deixar jamais deslumbrar pelos nomes que os Espíritos tomam para darem uma aparência de verdade às suas palavras; desconfiar das teorias e sistemas científicos arrojados; enfim, de tudo aquilo que se afasta do objetivo moral das manifestações. Encheríamos um volume, dos mais curiosos, com a história de todas as mistificações que vieram ao nosso conhecimento.